“Não tenho palavras para definir essa maravilha, até a comunidade ganha”

Publicado em 20 de maio de 2019

O contentamento que dá nome ao título desta matéria é da coordenadora administrativa da escola José Ribamar Batista (EJORB), Aparecida Freitas. Segundo ela, desde que o projeto Escola Segura foi implementado, não houve mais nenhuma ocorrência de sinistro dentro do ambiente escolar.

Sargento Maurelando faz o acompanhamento do Projeto nas Escolas.
Foto: Mardilson Gomes

Há dois meses, pelo menos 11 escolas de Rio Branco experimentam dias melhores no que diz respeito a segurança. Idealizado pelo secretário de Educação, Cultura e Esportes (SEE), Mauro Sérgio Ferreira da Cruz, o projeto Escola Segura tem feito toda a diferença no dia-a-dia de alunos, professores e funcionários.

Nesta segunda-feira, 20, o coordenador do Projeto e responsável pelo Centro de Tecnologia e Informação de Segurança Escolar, Sargento Maurelando Leão, realizou uma visita a duas escolas integrais da Baixada da Sobral que foram contempladas pelo Escola Segura, a Jovem Boa União e a José Ribamar Batista.

Tratou-se de um acompanhamento às ações desenvolvidas, já que nestes ambientes se fez a opção pela segurança armadas. Além destas, também a Sebastião Pedrosa, Edilson Façanha, Pedro Martinello, João Mariano, Glória Perez, Maria Angélica e Anita Garibaldi ganharam reforço no que diz respeito a segurança.

Na Escola José Ribamar Batista, não houve mais ocorrências desde a implantação do Projeto Escola Segura.
Foto: Mardilson Gomes

No Centro de Tecnologia, que é parte da política de segurança adotada pela SEE, já funcionam o Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência (Proerd) e o Policiamento Escolar. Também será instalado o Centro de Monitoramento, onde atuarão 61 policiais militares da reserva remunerada que farão o acompanhamento 24h do ambiente escolar.

Para garantir este monitoramento, a SEE também estará melhorando a qualidade da internet nas escolas, sobretudo daquelas que possuem câmeras de vigilância. “Estamos realizando esse acompanhamento para saber como está a questão da segurança nas escolas”, disse o coordenador.

 

Alunos mais à vontade

Professora Linda Silva: “Até os alunos estão mais à vontade”.
Foto: Mardilson Gomes

Quem fez uma avaliação muito positiva do Projeto Escola Segura foi a professora Linda Silva, gestora da Escola Jovem Boa União, também de ensino integral. Para ela, de lá para cá, até os alunos estão mais à vontade dentro da escola. “Não registramos mais nenhum caso de roubo e só tenho a agradecer ao professor Mauro por esta bela iniciativa”, disse.

Já a professora Aparecida, que citamos no início da matéria, acrescentou que até a comunidade ganha com o modelo adotado pelo governo por meio da SEE, já que agora até a quadra pode ser agendada aos finais de semana. “Agora temos paz, temos sossego e tranqüilidade”, comemora.



COMENTÁRIOS: