No Dia Nacional do Braille, CAP celebra conquistas na inclusão social das pessoas com deficiência

Publicado em 11 de Abril de 2018

Comemorações foram realizadas na Livraria Nobel do Via Verde Shopping (Foto: Mágila Campos/SEE)

O Centro de Apoio Pedagógico para Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual do Acre (CAP-AC) celebrou o Dia Nacional do Braille, 8 de abril, na Livraria Nobel do Via Verde Shopping, com exposição dos materiais produzidos pela instituição, apresentações musicais, contação de histórias  e demonstrações de orientação e mobilidade para deficientes visuais.

De acordo com a coordenadora do CAP-AC, Gercineide Maia, o objetivo da data é conscientizar a população sobre a importância de políticas públicas para inclusão dos cegos e pessoas com baixa visão no sistema educacional brasileiro. “É uma forma de valorizar e divulgar a política educacional de inclusão do Acre voltada aos alunos com deficiência visual e é também uma maneira de promover cidadania.”

Foram expostos ao público os materiais adaptados pelo CAP-AC (Foto: Mágila Campos)

Segundo a coordenadora da Educação Especial, Úrsula Maia, existem grandes avanços no ensino do braille na educação do estado, que atualmente atende 36 alunos cegos e quase mil alunos com baixa visão ou com probabilidade de perder a visão.

“Hoje o braille é ensinado nas salas de recursos multifuncionais e os professores recebem essa formação no CAP-AC. Além disso, nossos cursos em braille e pré-braille têm tido uma procura muito grande pela rede estadual, pelos acadêmicos e pela comunidade”, disse Úrsula.

O coordenador da Associação das Pessoas com Deficiência Visual do Acre, Francisco Wellington do Nascimento, alerta que a transcrição em braille e atendimento especializado em todos os estabelecimentos são de extrema importância para o deficiente visual.

“Desde 1829 até agora, já se passaram 189 anos da invenção do Sistema Braille. Imagine, quase 200 anos e a gente ainda não tem igualdade de condições na sociedade, a gente espera um dia chegar lá”, disse.

Thiago Carvalho teve a vida mudada por conta do Sistema Braille (Foto: Mágila Campos/SEE)

Thiago Carvalho da Silva, revisor de textos em braille do Instituto Federal do Acre (Ifac), é cego de nascença e conta que toda sua alfabetização só foi possível por conta do Sistema Braille. Hoje, Thiago é graduado em Administração e já foi aprovado em três concursos públicos.

“O braille é a minha vida, eu não me vejo sem o braille, ele faz parte do meu cotidiano, é um sistema que mudou minha vida. Só através dele eu posso fazer minhas leituras, adquirir conhecimento, posso escrever.”



COMENTÁRIOS: