Saúde na Escola estima realizar 37.500 atendimentos em 2018

Publicado em 7 de março de 2018

Dayana Soares

Programa proporciona melhor condição física, psíquica e social aos alunos da rede estadual (Foto: Alexandre Noronha/Arquivo)

O Programa Saúde na Escola – PSE, projeto da Secretaria Estadual de Educação, estima realizar 37.500 atendimentos da rede estadual de ensino, durante o ano letivo de 2018, com serviços médicos, odontológicos, fonoaudiológicos, de enfermagem e serviço social.

De acordo com a assistente social Ivanita Canizo, o programa que tem como parceira a Secretaria Estadual de Saúde e está em funcionamento desde 1998, possibilita aos alunos, através das ações dos profissionais de saúde, melhor condição física, psíquica e social.

“Uma criança com algum comprometimento de saúde terá interferência no processo de ensino e aprendizagem. O mesmo acontece com uma criança que é vítima de algum tipo de violência, ou de alguma negligência familiar. Então, o nosso objetivo é esse: que a criança não venha a ter essas dificuldades durante aprendizado por conta de algum problema de saúde ou social”, explica a assistente social.

Números de 2017

Ariane Farias, coordenadora do programa, informa que em 2017 foram 21.119 acompanhamentos, só na área de odontologia, entre atendimentos individuais, palestras, aplicação de flúor e escovações supervisionadas.

“Uma das frentes do programa, são os atendimentos odontológicos, tanto que quando se fala em Saúde na Escola, todos lembram logo dos atendimentos odontológicos”.

Hoje a equipe de odontologia do PSE é composta de 30 odontólogos, 11 auxiliares de consultório dental e sete técnicos em higiene dental. No estado, 17 escolas possuem consultório odontológico, que realizam, entre outros serviços, consultas de emergência, tratamentos de canal, odontopediátricos, endodônticos e ortodônticos, sendo 15 consultórios em Rio Branco e dois em Cruzeiro do Sul.

Na área médica, a equipe é composta por um médico pediatra e sete enfermeiras. No total, 2.991 alunos receberam atendimentos médicos, distribuídos entre 36 escolas da capital do estado.  Além disso, 11.217 alunos passaram pela triagem médica e 2.611 pais ou responsáveis participaram de reuniões de acolhimento.

Mais de 1.400 pessoas da comunidade escolar foram contempladas com os serviços de fononoaudiologia. Entre elas, 880 alunos receberam avaliação e acompanhamento, 359 familiares receberam orientações sobre os tratamentos dos alunos e 172 educadores receberam palestras de abordagem preventiva sobre voa, audição, fala e linguagem.

Já na área de assistência social 1.079 pessoas da comunidade receberam atendimentos especializados. Os assistentes sociais também foram responsáveis por agendar as consultas oftalmológicas realizadas no Hospital das Clínicas. Ao todo 790 alunos receberem atendimento oftalmológico.



COMENTÁRIOS: